sábado, 3 de fevereiro de 2018

Nudez é vulgaridade?!

Ao longo dos anos as mulheres foram difamadas e rotuladas por serem sexy, seja por um andar, uma roupa mais ousada, e até por sua nudez. A mulher que gostava de ficar nua dentro de suas próprias casas eram mal vistas se alguém descobrisse, e apesar de já estarmos no século XXI, esse julgamento ainda existe, tiram por cantoras que utilizam de sua sexualidade para atrair audiência, são rotuladas como vulgares, promíscuas, fáceis, até de putas. Aí eu pergunto, quem deu o direito de julgar, de falar mal, de agredir com palavras ofensivas??
A sociedade se acha no direito de discriminar tudo que está fora da "caixinha", que mexe com os "bons costumes", que pode dar voz a mulher; numa época em que a agressão doméstica continua impune e a repressão contra esposas é bem vista diante de um machismo gritante e orgulhoso, não podemos baixar a cabeça. 
As naturistas sofrem muito preconceito por não sentirem vergonha do seu corpo, por terem a autoestima elevada, por se amarem, por não deixarem que façam do seu templo, uma brincadeira. E o pior que esse olhar feio vem sim de muitas mulheres que ainda acreditam que a vulgaridade está no corpo exposto, somos repreendidas diariamente por falsas puritanas, e isso nos tira muita força diante dessa batalha por liberdade.
Não sou feminista, muito menos machista, sou a favor da humanidade livre, livre dessas amarras que insistem em nos por desde pequenas, onde nos ensinam que o nu é feio, é vergonhoso, é sujo.
Mas quem ganha com isso tudo?
A indústria do sexo, as grandes marcas de roupas, a mídia vendida por milhões, que saem do seu bolso ao pagar um vestido de 1.500 reais. O sexo, quanto menos falado dentro de casa, mais caro se torna na rua, o proibido aguça a falsa necessidade de ter, de descobrir, de possuir; prostitutas de luxo chegam a cobrar 400 reais a hora, e essa pode ser sua filha, da qual descobriu, através do seu silêncio, que sexo é algo valioso, e quem paga são aqueles meninos enclausurados em seu mundo, do qual lhe foi imposto o ser macho diante de todos, que lhe foi mostrado a vida toda que mulher é um objeto de prazer e nada mais. 
Em algumas religiões as mulheres tem que se cobrir totalmente por um pano preto, chamado burca, em outra, a mulher não pode mostrar seus cabelos verdadeiros, as fazendo usar perucas constantemente em público, ambas atitudes impostas por homens, pois o mesmo quando não cumprido é visto como provocativo; e é justo a mulher ter que se cobrir totalmente ou esconder seus cabelos porque o bicho homem não sabe se controlar?
Entendam que o pecado não está no nu, e sim na mente humana da qual já perdeu sua inocência, onde vê pecado em todas as atitudes sexualmente expostas.
Precisamos despertar pra realidade que nos cerca e entender que a mudança está sim em nosso comportamento diário, em nossas palavras diante das crianças, nos ensinamentos que passamos pra elas, porque enquanto o nu for estampado como proibido, essas condutas nunca irão mudar.

"Por um Mundo mais Despido."

5 comentários:

  1. A muito tempo atrás eu li uma frase bem interessante: imoral é tudo aquilo que excita os moralistas! Essa hipocrisia em relação ao próprio corpo, bem como à sexualidade é a causa de muitos problemas psicológicos e sociais que enfrentamos hoje em dia.
    Marcondes Silva

    ResponderExcluir
  2. Otimo texto e vou te dizer Nanda. O Nós Naturistas já trouxe algumas mulheres para o naturismo. Ver a mudança dessas pessoas e a maneira como passam a se amar e aceitar como são é fantástico. Vamos continuar nossa luta!!!!

    ResponderExcluir
  3. Texto perfeito!Precisamos divulgar sempre essas ideias e questionar esses "valores"!
    A propósito,o nosso código de atentado ao pudor até hoje é o mesmo de 1940!Isso mesmo,ele tem quase 80 anos e é do tempo dos nossos avós!Precisamos falar sobre isso também!

    ResponderExcluir

Naturismo em Rio Grande do Norte.

Nasce mais um grupo naturista, NU-RN (Naturistas Unidos do Rio Grande do Norte), onde já estão pensando em criar a primeira praia naturista...